Política e Eleição / Notícias

09/01/19 - 12h56 - atualizada em 09/01/19 às 13h46

Ratinho Júnior quer fazer do PR ‘o Estado mais moderno do Brasil’

Governador fala de suas estratégias para a escolha do secretariado e de seus projetos imediatos para setores estratégicos, como o da Segurança Pública

Da redação, com reportagem da AEN 

Ratinho Júnior enfatizou que sua gestão irá "modernizar o Paraná"

O governador Carlos Massa Ratinho Júnior (PSD), empossado na semana passada, comentou suas estratégias para a definição de nomes para compor seu secretariado – que foi reduzido em relação aos mandatos anteriores. Ratinho Júnior também frisou seus projetos imediatos para setores estratégicos, como o da Segurança Pública. O novo gestor enfatizou sua pretensão em “modernizar o Paraná”.

“Na quarta-feira (2), fizemos uma reunião com todos os secretários empossados, justamente para traçarmos um panorama da atual situação do Estado e também já fazendo com que cada secretário se aprofunde na sua pasta, com o compromisso de diminuir custos”, observou.

PUBLICIDADE

O governador adotou uma política de austeridade e determinou aos secretários que reduzam em, no mínimo, 20% dos custos de cada pasta a fim de reduzir os gastos com a máquina pública. Ainda nesse sentido, Ratinho Júnior decidiu enxugar a administração e diminuiu para 15 o número de Secretarias Estaduais, que eram 28.

“Foi um dos maiores cortes do Brasil em número de Secretarias, acabando com aquelas que existiam apenas para apadrinhar amigos políticos, parentes, presidentes de partidos, e focando realmente nas Secretarias que são essenciais à vida das pessoas”, disse.

Ratinho Júnior assegurou que o corte de Secretarias não afeta o atendimento ao público. “O que, na verdade, muda é que se diminui o custo delas. Cada Secretaria que foi extinta tem um cálculo de R$ 200 mil a R$ 300 mil por mês. Acabamos com esse custo administrativo, mas as políticas públicas são incorporadas a outras Secretarias, que vão fazer a prestação de serviços da melhor maneira possível”, afirmou.

PUBLICIDADE

Para as Secretarias de Educação, Saúde e de Segurança, consideradas primordiais, o governador priorizou o perfil técnico para a escolha dos secretários. “Busquei fazer uma escolha extremamente técnica. Se você pegar o currículo de cada secretário que está na pasta, são pessoas preparadas, que têm formação acadêmica, pós-graduação e experiência, para que pudéssemos ter uma equipe extremamente eficiente. Um exemplo é nosso secretário de Segurança, que é o general [Luiz Felipe Kraemer] Carbonell, um dos homens mais experientes do Exército Brasileiro, que conhece muito de planejamento de segurança, política de segurança de fronteira, que é uma necessidade aqui no Paraná. Além disso, é um homem experimentado”, citou.

Da mesma forma, na área da Educação, para a qual foi escolhido Renato Feder. Ratinho definiu o ex-CEO da Multilaser e professor de matemática e economia como um “jovem gestor, que tem muito conhecimento na área educacional, começou a dar aulas com 17 anos de idade e, sem dúvida, vem com uma proposta de modernizar o sistema educacional do Estado do Paraná para que possamos ter os melhores índices do IDEB do Brasil. Essa é nossa missão; esse é nosso grande objetivo”, afirmou.

Para a Saúde, a escolha do médico Beto Preto também atende a esse critério técnico. O ex-prefeito de Apucarana deixou o cargo para assumir a Secretaria. “Trouxe um amigo, o Beto Preto, que é médico por formação e tem especialização em várias áreas da Saúde”, apontou.

PUBLICIDADE

Perguntas específicas da Najuá para Irati

Delegacia da Mulher

O crescimento das denúncias de casos de violência contra a mulher em Irati e região, até mesmo com casos de feminicídio [caso concreto que aconteceu em Irati em 2018] gera a demanda pela criação de uma delegacia especializada. Questionado sobre a possibilidade de implantar uma Delegacia da Mulher em Irati, o novo governador mencionou que isso ainda depende de planejamento estratégico e estudos.

“É algo que está sendo discutido, estudado, para ver de que maneira a polícia do Estado do Paraná, em especial a Civil, pode dar respaldo para nossa população. Antes mesmo de tomar posse, já tive reuniões com delegadas da Polícia Civil para discutir estratégias nesse sentido. Uma delas, além de as Delegacias da Mulher serem ampliadas no Paraná, é também o atendimento à mulher. Não dá para uma mulher que, muitas vezes, sofre agressão física ou moral ir a uma delegacia e ser atendida por um policial, um homem. Tem que ser com uma mulher, com quem ela possa se abrir, sem timidez ou constrangimento. Tudo isso está sendo pensado e remodelado e modernizado pelo nosso secretário de Segurança com sua equipe, para que nós, em breve, apresentemos um projeto nesse setor”, disse.

PUBLICIDADE

Superpopulação carcerária

Outro desafio de segurança pública a ser superado no interior diz respeito à superlotação das carceragens de Delegacias de Polícia Civil, que deveriam abrigar presos apenas provisoriamente e, no entanto, possuem condenados dividindo celas com os que aguardam julgamento. Além disso, o espaço é pouco e as carceragens costumam abrigar o dobro e até o triplo da capacidade, fator que pode favorecer motins, rebeliões e fugas. Na gestão anterior, o Governo do Estado sinalizou, algumas vezes, com a possibilidade de implantar a chamada Delegacia Cidadã em Irati, fato que não se concretizou.

“Vamos dar andamento a alguns projetos, especialmente no setor carcerário. Nosso Paraná tem, realmente, uma superlotação, inclusive, nas delegacias, algo que não deveria ter. Já existem conversas e projetos que estamos fazendo com o Ministério da Justiça [e Segurança Pública], com o ministro Sérgio Moro para trazer investimentos ao Estado. Algumas penitenciárias começarão a ser construídas, estão em fase de projetos, outras, em [fase de] licitação, para que possamos tirar isso do papel. Nosso objetivo é realmente modernizar o sistema carcerário do Paraná tirando essa superlotação das delegacias”, respondeu.

Ratinho Júnior pretende adotar o sistema de Parceria Público-Privada (PPP), a fim de que empresas do mundo todo, com experiência em gestão de presídios, possam auxiliar o Paraná a resolver esse problema.

PUBLICIDADE

Foco na geração de empregos

“A população pode esperar muito trabalho e dedicação, uma equipe comprometida em poder fazer do Paraná o Estado mais moderno do Brasil. Meu principal foco será o da geração de empregos. Estou muito motivado. Se precisar viajar o Brasil todo para trazer empresas para gerar emprego no Paraná eu vou fazer isso. Se eu precisar ir para fora do Brasil para trazer empresas, vamos buscar essas empresas para investir no Paraná. Queremos também criar um ambiente para nossas empresas paranaenses, o comércio, o micro e pequeno empresário, a mulher empreendedora; vamos criar um ambiente para que esse emprego seja gerado e, acima de tudo, seja gerado emprego perto de onde estão as pessoas”, enfatizou.

Quer receber notícias locais? Envie whats para 42 991135618 SIM NOTICIAS ou cadastre seu e-mail na newsletter pelo site da Najuá   

Comentários

Enquete

Você acha certo que nas escolas públicas se cante o Hino Nacional

  • Não deveria ser cantado
  • Só em ocasiões cívicas
  • Uma vez por semana
  • Todos os dias
Resultados