Irati e Região / Notícias

18/05/19 - 16h58 - atualizada em 19/05/19 às 18h17

Irati sedia Convenção Estadual das Redes Femininas na quinta (23)

Convenção será no Samuara Clube de Campo, a partir das 8 h. Inscrições podem ser feitas até o dia 22

Da Redação, com reportagem de Paulo Henrique Sava e Rodrigo Zub 

Voluntárias da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Neiva Mattos Sava, Carla Ferreira e Ieda Waydzik comentaram sobre as atividades da Convenção Estadual que será realizada em Irati durante participação no programa "Meio Dia em Notícias"

Irati sedia, na próxima quinta (23), a 8ª Convenção Estadual das Redes Femininas de Combate ao Câncer (RFCC). É a primeira vez que o evento será realizado na cidade, onde a entidade está presente há quase dois anos. No Paraná, a instituição foi fundada há 65 anos, em Curitiba. Hoje, possui unidades também em Ponta Grossa, Maringá, União da Vitória e Irati.

A 8ª Convenção Estadual das RFCCs ocorrerá no Samuara Clube de Campo, a partir das 8 h.

Segundo a presidente da Rede Feminina de Irati, Ieda Waydzik, a finalidade do encontro de voluntárias de todo o Estado, que traz como lema “Cuidando de quem acolhe” é discutir o trabalho desenvolvido por elas junto aos pacientes em tratamento contra o câncer. “E, principalmente, [abordar] novas tratativas, novas formas de acolher o paciente de câncer dentro de nossas instituições e dentro dos hospitais de câncer”, acrescenta.

Ieda explica que as unidades regionais de Curitiba e de Irati da Rede Feminina de Combate ao Câncer trabalham na acolhida aos pacientes atendidos no Erasto Gaertner (HEG) pelo fato de serem as duas cidades onde o hospital está presente. As demais Redes Femininas espalhadas pelo Paraná atuam nas casas de passagem e fazem atendimento domiciliar aos pacientes, da mesma forma como ocorre em Irati. Já a de Ponta Grossa, por exemplo, exerce o trabalho voluntário também dentro de clínicas particulares, que acolhem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

PUBLICIDADE

“Nossas voluntárias estão junto com o paciente na hora mais crítica, que é a hora da espera. A hora em que eles chegam ao hospital e que precisam ser acolhidos e que eles estão na iminência de receber uma notícia boa ou ruim. Elas estão sempre prontas, com uma palavra de conforto, atendendo, acolhendo, na verdade, com um chazinho, uma bolachinha. Acolhendo a todos com carinho, sempre, com muito amor e afeto”, explica a vice-presidente da Rede Feminina de Irati, Karla Ferreira.

A estimativa da Convenção é a de receber entre 80 e 100 voluntárias da Rede Feminina de todo o Paraná. “Uma comitiva de Dois Vizinhos deve trazer 18 mulheres; de Curitiba, talvez, mais de dez; de Ponta Grossa, 14. Várias Redes já inscritas. Tem outros municípios do Paraná ainda fazendo suas inscrições, porque elas ainda estão abertas. A convenção não é somente para as voluntárias. Se alguém da comunidade quiser conhecer o trabalho, quiser ouvir as palestras e participar, pode se inscrever, acessando o site do Hospital Erasto Gaertner (www.erastogaertner.com.br)”, comenta Ieda.

As inscrições custam R$ 120 e podem ser efetuadas até quarta-feira (22). O evento inicia às 8h, com café da manhã e, após a abertura, terá palestra com o chefe da 4ª Regional de Saúde, Walter Trevisan e uma com a enfermeira-chefe da Unidade Avançada do Hospital Erasto Gaertner em Irati, Daniela Raffo. “Também vamos ter uma palestra com o psicólogo do HEG de Curitiba, que vem nos falar sobre como a voluntária deve se proteger neste trabalho de acolhimento”, conta a presidente da Rede Feminina de Irati. Em seguida, haverá palestra com o enfermeiro Agostinho Basso, que vai encerrar as atividades da manhã.

PUBLICIDADE

Depois, será servido o almoço, com cardápio do Buffet Italiano. A companhia de teatro Risologistas – Doutores do Riso apresentará uma peça. “Depois da peça, teremos a [assistente social] Maria Helena Orreda, fazendo uma palestra sobre as redes de acolhimento, que existem na rede pública, principalmente. E, no final, teremos um coffee break. O custo que existe para participar é por causa das refeições que serão servidas. Todas as pessoas da comunidade estão convidadas a participar conosco”, convida Ieda.

A presidente da Rede Feminina em Irati destaca que o trabalho vai além do acolhimento de pacientes e inclui também um grupo educacional, responsável por dar palestras em escolas e outros locais. “Ano passado, demos 60 palestras no interior, acompanhando o Emater. Temos, portanto, um trabalho de prevenção. Acredito que o trabalho mais importante é tentar prevenir que a doença apareça e isso se faz com a divulgação dos problemas que teríamos e que poderiam evoluir para um câncer”, comenta.

Atualmente, a Rede Feminina de Combate ao Câncer, em Irati, possui em torno de 60 voluntárias, que atuam em duplas na Unidade Avançada do Erasto Gaertner, de segunda a quinta. Segundo Ieda, como o hospital atende aos nove municípios da 4ª Regional de Saúde, o objetivo é que haja voluntárias também nas outras cidades de origem dos pacientes atendidos em Irati. Essa expansão da Rede já conta com núcleos nos municípios de Teixeira Soares e de Rebouças.

PUBLICIDADE

“Cuidando de quem acolhe”

“Nós, voluntárias, acolhemos o paciente. Estamos lá, todas, de coração aberto, com nossa mente, com nosso afeto para atender o paciente. Mas temos que lembrar que a voluntária também precisa de um colo, de um acolhimento de vez em quando, também precisa de uma atenção especial. Inclusive, temos pessoas que vão trabalhar como voluntárias e desistem. Porque é difícil estar naquele lugar, naquele momento, onde a pessoa está passando por tanta dificuldade”, pontua Ieda, ao explicar a razão do tema escolhido para a Convenção.

“Muitas vezes, perdemos o paciente. E, nessas perdas, todas emocionais, a pessoa não se sente mais em condições de voltar a ser voluntário. Precisamos fazer um acolhimento para nossa voluntária, para tratar dela e dar-lhe condições de trabalhar melhor, de estar protegida emocionalmente e fazer com que o trabalho seja cada vez melhor”, frisa.

O evento é uma realização da Rede Feminina de Combate ao Câncer, em parceria com o Hospital Erasto e o Centro de Projetos de Ensino e Pesquisa (CEPEP). Mais informações pelos telefones (42) 3132-6000 ou (41) 9-9207-6894.

PUBLICIDADE

Comentários