Irati e Região / Notícias

26/05/14 - 09h50 - atualizada em 26/05/14 às 15h37

Empresários voltam a discutir solução para coleta do lixo em Irati

Coleta de grandes geradores comerciais e industriais foi discutida novamente em reunião realizada na semana passada
Paulo Henrique Sava, com edição de Edilson Kernicki

Empresários  e representantes do Colégio Florestal e do Instituto Federal do Paraná e o Secretário de Meio Ambiente e Ecologia de Irati, Osvaldo Zaboroski, buscam uma solução para a coleta de lixo dos pequenos, médios e grandes geradores do município.

Na semana passada, eles se reuniram e voltaram a discutir o tema. De acordo com o secretário, a lei 11.445/2010, o Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) sugere que o Governo Federal, através da Comissão de Saneamento, mobilize os municípios e recolha 200 litros de lixo, a média que cada cidadão gera diariamente e que cada empresa gerencie o excedente através de um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

Zaboroski explicou o trabalho que vem sendo feito pela empresa HMS com os pequenos, médios e grandes geradores de resíduos sólidos. Os pequenos geradores, segundo explica o secretário, produzem de 800 a 1.300 litros de lixo por dia; médios geradores, de 1.300 a 1.800 e a partir de 1.800 litros são considerados grandes geradores.

O secretário explicou que essa categorização foi estipulada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Ecologia, com base na média de geração diária de resíduos sólidos em Irati, porque utilizar a estabelecida pelo PNRS não seria adequado para o município, uma vez que a partir de 600 litros de lixo diários já seria considerado um grande gerador.

O secretário afirmou ainda que algumas empresas da cidade estão dispostas a reduzir preços na produção de sacos plásticos para que os empresários deixem de utilizar as chamadas “bombonas” e utilizem apenas os sacos plásticos de 100 litros para o armazenamento dos resíduos sólidos para coleta. Segundo Zaboroski, o objetivo da reunião foi buscar alternativas para solucionar os problemas da coleta de lixo dos grandes geradores.

De acordo com dados fornecidos pela empresa HMS à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, 15 empresas geram até 800 litros de resíduos sólidos por semana, 18 empresas geram até 1.300 litros e 43 empresas geram mais de 1.300 litros de resíduos sólidos semanalmente. No total, 76 empresas estariam entre as grandes geradoras de resíduos sólidos em Irati.

Zaboroski afirmou ainda, em sua explanação, que, depois de diversas reclamações dos empresários, a HMS disponibilizou uma quinta equipe de funcionários para atender plenamente a estes grandes geradores de resíduos. Até então, ocorriam atrasos nos cronogramas de coletas residenciais porque o caminhão levava até uma hora recolhendo resíduos gerados por apenas uma empresa, dada a quantidade.

Segundo o secretário, o município de Irati vem realizando a coleta acima da quantidade de 200 litros de resíduos orgânicos por dia. Para o excedente, os empresários devem elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Zaboroski conta ainda que apenas duas empresas apresentaram o plano em Irati.

“O município vem fazendo gradativamente. Desde 2010, cada grande gerador teria que ter seu próprio programa”, comentou. Segundo ele, a atual gestão dá continuidade ao plano iniciado pela administração anterior, em 2010. “Mas gostaríamos de tentar encontrar melhores resultados para não se ter perda de tempo, nem perigo de contaminação”, ressaltou. Outra preocupação é a de evitar que o acúmulo de lixo nesses grandes geradores possa gerar pragas urbanas tais como baratas e ratos, por exemplo.

“Buscar, dentro de uma linha de pensamento, a melhoria do nosso município. A empresa nos pediu e a lei também pede para fazermos. O município ainda não tem uma lei definida, não foi passada pela Câmara Municipal, cobrando ou fazendo melhorias, em termos estruturais para o excedente dos pequenos, médios e grandes geradores, nem como seria essa definição. Daí veio a definição de responsabilidades para os grandes geradores, que a empresa nos pediu com relação ao programa de gerenciamento interno, a única empresa em Irati que o possui é a Yazaki e a Caminhos do Paraná”, explicou o secretário.

Zaboroski afirma ainda que, enquanto secretário de Meio Ambiente, está buscando soluções para tornar Irati uma das melhores cidades da região em termos da organização da coleta do lixo. Para os empresários, o maior problema da coleta do lixo é a falta de regularidade nos horários de passagem dos caminhões da HMS. O secretário disse que para isso necessita entrar em entendimento com o empresariado iratiense, sugerindo que seja votado na Câmara Municipal um projeto de lei que aplique uma taxa fixa para a coleta de excedentes. “Quero uma solução lógica, porque com indefinições não se chega a lugar nenhum”, acrescentou.

Planos individuais de gerenciamento de resíduos seriam solução


O secretário de Finanças, Luiz Valdir Slompo de Lara, afirmou que o problema já foi discutido diversas vezes, e que a solução seria a elaboração de um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para cada empresa. Estes planos seriam feitos pelo Colégio Florestal, em parceria com a Unicentro e a ACIAI. Sobre a licitação para contratação da HMS, Slompo afirma que tudo foi realizado da maneira mais clara possível.

“Não é nossa administração que está criando esse empecilho com vocês. Estamos aqui ouvindo e fazendo com que haja essa agilidade, que haja essa parceria para que toda a cidade saia ganhando. Acho que precisamos partir para uma definição mesmo”, ressaltou. No entanto, Slompo reclamou do desinteresse do empresariado local em participar de reuniões que debatem os planos de gerenciamento de resíduos, uma vez que apenas uma pequena parte dos empresários de Irati estava na reunião, apesar de serem esses os que ligam para reclamar dos problemas na coleta.

Para o secretário de Finanças, é importante que se discuta o tema até mesmo pela perspectiva de baratear o custo do serviço de coleta. “Estamos aqui como parceiros, não como contribuinte e Executivo. Estamos procurando um caminho para a solução”, complementou. Pela pressa em resolver a questão dos resíduos sólidos, Slompo declarou que não se pode mais usar uma reunião para apenas definir a data de uma nova, mas que se delibere entre os presentes as alternativas para solucionar esse impasse.

De acordo com o engenheiro agrônomo Igor Zampier, representante do Colégio Florestal na reunião, os Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos devem ser elaborados nos próximos dias e apresentados numa reunião marcada para o próximo dia 13 de junho aos empresários.

Poucos empresários participaram da reunião realizada na semana passada para discutir a coleta de lixo em Irati

Comentários