Irati e Região / Notícias

09/02/14 - 22h10 - atualizada em 12/02/14 às 08h55

Cronograma de coleta de recicláveis sofre alterações

Novo roteiro e horários passam a valer a partir desta segunda (10). Objetivo é que a população não confunda a coleta do material reciclável com a do orgânico
Edilson Kernicki, com reportagem de Rodrigo Zub

Desde a terceirização da coleta de resíduos orgânicos, que ocorre três vezes por semana, a população de Irati começou a confundir os dias e horários da coleta de materiais recicláveis. Para equacionar o problema, o cronograma de coleta de recicláveis foi alterado e passa a valer a partir desta segunda-feira, 10.

A presidente da cooperativa Malinoski, Luciane Malinoski, divulgou o novo roteiro a ser percorrido pelos caminhões, que passam a recolher o material reciclável durante o período da tarde.

Na segunda, o caminhão deve passar pelos seguintes bairros: Alto da Glória, Lagoa, Cruzeiro do Sul, Orquídea, Vila Nova e Canisianas. Na terça: Floresta, Pedreira, DER, Planalto, Marcelo e o Morro da Santa. As quartas, é a vez do Rio Bonito, Santo Antonio, São Francisco e Pabis. Quintas terão coleta nos bairros Pechibilski, Califórnia, Vila São João, São Pedro e Óleos Irati. Nas sextas, o caminhão percorre o Alto da Lagoa, Stroparo, Vila São João e Nossa Senhora da Luz. Conforme Luciane, a Vila São João terá a coleta dividida em dois dias – quinta e sexta – por ser um bairro muito extenso.

Na sexta, os caminhões de recicláveis também passarão no interior: Guamirim, Gonçalves Júnior, Linha B e Rio do Couro. Na região central, a coleta será realizada diariamente, de segunda a sábado, no período da manhã.

A presidente da cooperativa de recicláveis solicitou a colaboração dos iratienses no sentido de não misturar sobras de alimentos, fraldas, papel toalha, guardanapos, papel higiênico, absorventes, calçados e roupas. Quem tiver roupas e calçados em casa que não use mais, em vez de descartar, pode fazer uma doação. Luciane deixou o seu telefone à disposição para que as pessoas repassem as doações, evitando, assim que esse material seja descartado no aterro. Interessados podem ligar para o 9937-0039.

Os materiais que são de fato recicláveis e interessam para a coleta são: papel, plástico, alumínio, metal, ferro, vidro, entre outros.

Conscientização

A partir da terceirização da coleta de resíduos orgânicos, a prefeitura cedeu os antigos caminhões utilizados nessa coleta para recolher o material reciclável. Segundo Luciane, várias pessoas estão confundindo os caminhões de coleta e querendo que eles recolham o lixo orgânico também.

Conforme a presidente da cooperativa Malinoski, a coleta de recicláveis ocorre apenas semanalmente porque não há acúmulo de material reciclável suficiente para justificar duas passadas durante uma semana. A coleta permanece ocorrendo apenas uma vez na semana e passará a ser durante a tarde. “Na parte da manhã será feita só a região central, de segunda a sábado”, reforçou Luciane.

Ela enfatizou que, com a regularização do horário, deve-se evitar o transtorno que muitos habitantes enfrentavam de deixar o material a ser recolhido em cima do muro ou na frente da casa e ser revirado por cachorros ou outros animais enquanto o caminhão não passava.

Outro pedido de colaboração de quem recolhe o material reciclável é no sentido de que reúna as garrafas PET ou de vidro numa caixa de papelão ou sacola, evitando deixá-las separadas individualmente para facilitar a coleta. “Com elas soltas, é ruim descer do caminhão, correndo tudo, e pegar. Até porque vamos fazer isso agora na parte da tarde, então está muito sol e cansa correr atrás do caminhão. Às vezes, na pressa, até acaba se machucando ao descer e subir”, explica Luciane. Segundo ela, a Prefeitura cedeu caminhões, motorista, combustível e os barracões, mas são os funcionários das duas cooperativas que fazem as coletas.

Luciane reforçou a necessidade de conscientização quanto à importância de já deixar o material reciclável limpo e seco para ser recolhido pelos catadores. Segundo ela, alguns bairros estão demonstrando maior consciência no sentido de entregar lavados os potes de margarina, caixas longa vida e embalagens de carne, por exemplo. “Mas ainda existem pessoas que você chega e está lá dois litros de PET e tem orgânico, tem resto de fruta, tem caixinha de queijo e presunto, que estragam”, reclama. De acordo com a Luciane, esse material com restos de resíduos orgânicos acaba gerando mau cheiro e atraindo parasitas – moscas, baratas e ratos, por exemplo. “Para as pessoas que trabalham separando esse material não é bom”, alerta.

A população também deve ficar atenta ao roteiro de passagem dos caminhões e aos horários, para evitar deixar o material acumulado diante de casa. “O caminhão vai fazer a rota da outra rua e arrisca ele não passar novamente naquela rua e o material vai ficar”, explica Luciane. Ela afirma que, se for uma sacola pequena que ficou para trás, a pessoa pode até ligar para ela que o recolhimento pode ser providenciado.

Cooperativas em novas instalações

Há pouco tempo, as duas cooperativas de reciclagem – Malinoski e COCAIR (Cooperativa de Catadores de Recicláveis de Irati) – se instalaram em barracões cedidos pela Prefeitura Municipal de Irati. A COCAIR trabalha com 18 pessoas e a Malinoski com 33. Segundo Luciane Malinoski, o trabalho melhorou em virtude de que o antigo espaço utilizado pelas cooperativas era alugado e também precisavam pagar luz e água. Além disso, quando chovia, o pátio ficava cheio de barro, o que tornava o trabalho mais difícil.

Conforme a presidente da cooperativa, com o dinheiro economizado é possível pagar as despesas de cozinha. A Provopar fornece os alimentos essenciais e a cooperativa compra complementos e paga a cozinheira para que sirva diariamente o almoço a todos os funcionários.

Quanto aos lucros, ela explica que, primeiro, são pagas todas as despesas da cooperativa e o que sobra é dividido entre os cooperados.

Presidente da cooperativa Malinoski, Luciane Malinoski, divulgou o novo roteiro a ser percorrido pelos caminhões


Comentários