Irati e Região / Notícias

17/03/11 - 21h46 - atualizada em 19/12/11 às 17h11

Campanha promovida pelo G Center e Najuá visa reduzir sacolas plásticas no ambiente

Supermercado G Center e a Rádio Najuá lançam campanha para reduzir o número de sacolas plásticas no ambiente

Da Redação


A partir de hoje (17), o consumidor que não utilizar sacolas plásticas para carregar suas compras vai ganhar um desconto de R$ 0,05, a cada 5 produtos comprados no G Center Supermercados. A iniciativa partiu do grupo G Center e da Rádio Najuá, que juntos elaboraram uma estratégia de sensibilização visando reduzir o número de sacolinhas plásticas no meio ambiente.

Quem trouxer sua sacola de casa ou utilizar outros meios como caixas de papelão, carrinhos de feira para transportar suas compras, receberá o desconto diretamente no caixa. O sistema de caixa calculará o valor no final da compra, que será impresso no ticket. Sacolas de algodão (ecobags) com a marca da campanha foram colocadas a disposição dos clientes ao custo de R$ 3,99.

O lançamento da campanha G Center e Najuá para reduzir o número de sacolinhas plásticas descartáveis no meio ambiente foi realizado hoje, durante o programa Meio Dia em Notícias, da Rádio Najuá.

Para debater o assunto do dano ambiental causado pelo mau uso das sacolas plásticas e falar sobre a destinação do lixo, a emissora convidou o coordenador do Programa Desperdício Zero da secretaria do Meio Ambiente do Paraná -SEMA, Laerty Dudas; o chefe regional do Instituto Ambiental do Paraná - IAP de Irati, Edemilson Luiz Quadros; Thiago Marochi que representou a Secretaria Municipal do Meio Ambiente; Marcos Griczinski, um dos proprietários do supermercado G Center e a diretora da Rádio Najuá, Jussara Harmuch Bendhack.

Marcos Griczinski, proprietário do G Center Supermercados.
A iniciativa foi louvada por Laerty Dudas que apresentou dados que mostram o dano causado pelas sacolas plásticas e outros materiais rejeitados de maneira incorreta e falou da importância da adoção de atitudes que se preocupam em preservar o ambiente. “O problema não é causado pelo uso da sacola plástica, mas pelo destino inadequado que é dado a ela. É preciso que haja uma mudança de atitude da população”, disse o coordenador da SEMA. Mas para haver transformação, é importante a adesão da comunidade.

Marcos Griczinski acredita que a proposta desperta a percepção da comunidade para os problemas causados pelo acúmulo de lixo e espera que esta ação seja compartilhada por outras redes de supermercados e comerciantes de um modo geral.

Não há outra maneira se não começar, disse a diretora da Rádio Najuá, Jussara Harmuch Bendhack

"É preciso ter bom senso e consciência, sacolas plásticas não precisam ser completamente banidas. Em nossa sociedade é comum o uso das sacolinhas para acondicionar o lixo ou embrulhar sombrinhas e sapatos. Acontece que sobram muitas. A sacola de algodão ou qualquer outra também pode se tornar um problema se não utilizada centenas de vezes antes de ser atirada no meio ambiente. Há muita coisa para fazer, mas não há outra maneira se não começar de algum jeito", disse a diretora da Rádio Najuá.

 

Representando a Regional do IAP, Edemilson Luiz Quadros, gravou entrevista para a Rádio Najuá

Produzir sacolas mais resistentes e estimular a utilização de sacolas de uso contínuo, evitando o uso de sacolas plásticas em excesso pode reduzir o volume em 30%. Outras medidas importantes como desenvolver ações de educação sobre consumo responsável, coleta seletiva, reciclagem e utilização dos plásticos para a geração de energia devem ser incentivadas em igual proporção.

 

Saiba a opinião enviada pelo site da emissora, de um ouvinte contrário à proposta

Contato enviado por - nome: Thiago Alberti
e-mail: xxxxxxxxxx
localização:Irati - PR
ip: 187.52.xxx.xxx
assunto:Sacolas Plásticas

Mensagem
Sobre o assunto que vocês estão falando agora, sacolas plásticas, deem uma lida nesta reportagem: http://www.selodabufala.com.br/saco-plastico-causa-menos-danos-que-ecobags-diz-relatorio acho que vocês estão falando bobagem.


Conheça um pouco mais sobre o assunto

Thiago Marochi representou a Secretaria Municipal do Meio Ambiente
Preocupados com o meio ambiente, alguns estados e prefeituras criaram leis visando combater o impacto do uso de sacolas plásticas. Contudo, o teor destas leis diferencia em cada local. Por exemplo, no Rio de Janeiro deliberou-se por um desconto a cada grupo de 5 produtos , já em Belo Horizonte a lei proíbe o comércio de usar sacolas comuns e oxibiodegradáveis, introduzindo o uso de sacos bioxidegradáveis, além de incentivar a adoção de outras medidas como o uso de carrinhos, sacolas de pano e caixas de papelão para carregar as compras. Na Assembleia do Paraná o assunto foi debatido no ano passado. Na prefeitura de Curitiba, atualmente, tramitam dois projetos de lei, um que institui a cobrança de até R$ 0,10 por sacola plástica fornecida no comércio e outro que concede desconto de R$ 0,02 ao consumidor que não utilizar a sacolinha.

Oxidegradável  é muitas vezes confundido com biodegradável

Oxidegradável: O aditivo que faz com que o plástico se degrade continuaria contaminando o ambiente por causa dos catalisadores empregados, derivados de metais como níquel e manganês. A tecnologia permite que o plástico se esfarele em pequenas partículas até desaparecer a olho nu, mas continua presente na natureza. Nem Inglaterra nem Canadá, países que inventaram o aditivo oxidegradável, adotaram a tecnologia.

Biodegradável: É todo material que após o seu uso pode ser decomposto pelos microorganismos usuais no meio ambiente. Hoje já existem sacolas fabricadas com amido de milho, batata, mandioca e cana de açúcar.

Comentários

Enquete

Você acha que existe um grande número de pessoas que recebem aposentadoria sem ter contribuído o suficiente?

  • Não
  • Sim
Resultados