Futebol / Esportes

12/04/18 - 22h30 - atualizada em 12/04/18 às 22h37

Play de Freitas fala sobre saída do Iraty

Em coletiva na semana passada, gestores do clube alegaram que ex-técnico foi dispensado em razão dos resultados negativos do Azulão

Edilson Kernicki, com reportagem de Ademar Bettes, Tadeu Stefaniak e João Maria Rodrigues 

Dispensado pelos gestores do Iraty na semana passada, após uma sequência de maus resultados, Play de Freitas falou sobre a demissão, na terça-feira (10), em participação no programa “Show de Bola”, da Super Najuá. Em coletiva de imprensa, na semana passada, os gestores Márcio Fagundes e Eduardo Bento Lopes apresentaram o carioca Marcelo Buarque como novo treinador do Azulão.

Sob o comando de Play de Freitas durante sete rodadas na 2ª divisão do Campeonato Paranaense, o Iraty venceu apenas duas vezes: contra o Andraus (3 a 0) e contra o Portuguesa Londrinense (4 a 1), justamente os clubes que já foram rebaixados. No período, o Azulão perdeu três vezes em casa, pelo placar de 2 a 1 – contra Paranavaí; Batel, de Guarapuava e Operário, de Ponta Grossa. Play substituiu Adriano Kanaã, que comandou a equipe durante as três primeiras rodadas do campeonato – um empate (2 a 2, contra o Rolândia) e duas derrotas (3 a 0, contra o Independente São-Joseense e 4 a 1, contra o Operário).

Play de Freitas diz que sofreu perseguição dos gestores do Iraty, que o dispensaram

“Sofri perseguição desde a entrada da nova gestão até minha saída. Houve uma situação que considero mais do lado particular do que do lado profissional, porque não tem outro porquê”, desabafa o ex-treinador, que contraria a alegação dos gestores do clube, que disseram que a dispensa de Play não era por motivos pessoais. Márcio Fagundes e Eduardo Lopes chegaram a afirmar, durante coletiva, que Play seria apenas dispensado da comissão técnica, mas que o Iraty estudava outra função para ele.

Play revelou estar muito chateado com a dispensa após os anos dedicados às categorias de base e à campanha pelo retorno do futebol profissional do Iraty, que estava em inatividade desde 2012, e luta pelo acesso à elite do estadual. Em 2017, o clube, que retornou ao profissional na 3ª Divisão, obteve o acesso à 2ª Divisão.

“As pessoas não sabem da missa a metade para poder julgar algumas coisas. Há falta de informação e pessoas que estão chegando não sabem os que estão dizendo. Tem muita coisa envolvida. Fico chateado, porque o Iraty é um time de tradição, um time que tem torcida, e hoje estão mudando muitas coisas que eu não concordo. Estamos numa cidade de interior, onde o torcedor quer se envolver com o clube; com uma imprensa atuante, que sempre deu apoio ao clube. Há coisas acontecendo que eu, particularmente, não concordo, e acho que não é benefício nenhum ao clube”, criticou.

Sobre o novo cargo que os gestores do Iraty disseram que estudariam para manter Play no clube, o ex-técnico afirmou que conversou com ambos na segunda (9) e que a proposta que ele recebeu “não se faz nem a uma criança”. “Não há como continuar no Iraty com esses gestores, com as ideias que eles têm e eu não concordo. Deixe que o tempo vai dizer o que vai acontecer nesses dias aí pela frente. Vamos aguardar. Estou chateado, bastante, não só eu mas minha família também, porque vivemos o Iraty praticamente o dia inteiro, todos os dias”, revelou o ex-técnico.

PUBLICIDADE

Play assumiu o cargo logo depois da saída de Adriano Kanaã. O time vinha de um empate e duas derrotas e o ex-técnico tinha o desafio, inicialmente, de impedir o descenso do Iraty para a 3ª Divisão. “Sabíamos que as coisas não estavam legais, pois havia muita controvérsia, inclusive a parte física do clube, dos jogadores, era muito ruim. Tanto que no 2º tempo sofremos ainda, pela condição de trabalho que não foi feita adequadamente lá atrás, e sabíamos que o grupo não era aquele que montamos. Mas teríamos que fazer alguma coisa para melhorar, e foi feito. Houve melhoras de rendimento. Inclusive, o jogo em que salvamos o Iraty [do rebaixamento] jogando contra o Andraus em Campo Largo foi uma das melhores partidas que o Iraty fez nesse campeonato”, disse.

Sobre uma das derrotas contra o Operário, em casa, por 2 a 1, o ex-técnico afirma que os jogadores entraram em campo com o moral muito baixo em decorrência do acúmulo de situações adversas durante a semana: treino em campo inadequado, com gramado alto, no Pinho de Baixo; ficar sem treino na véspera, por falta de uniformes porque a lavadeira estava sem pagamento; falta de estrutura na concentração e eventuais pendências nos pagamentos. “Perdemos roubado, o bandeira confessou que ele errou no lance do gol [a favor do Operário, que estaria impedido]”, acusou.

“Os jogadores saíram do campo sabendo que tinham feito uma grande partida. Até falei no vestiário que não tinha nada perdido e que podíamos nos recuperar, da forma que eles tinham atuado. De repente, veio uma surpresa. Coloquei numa reunião que, me colocando como diretor do clube ou coisa parecida, sem ser o treinador, até mesmo um parceiro do clube, eu não faria troca naquele momento. O Iraty já foi salvo na 2ª Divisão. Caímos num grupo em que o Operário é 100% favorito para subir à 1ª Divisão. Tínhamos que melhorar nosso ambiente, nossas condições para poder seguir em frente. Até teríamos condições de buscarmos coisas melhores”, disse.

Play voltou a afirmar que sua demissão não foi por conta dos resultados do time e, sim, motivada por questões pessoais. “O rendimento da equipe e a mudança de comportamento foi da água para o vinho. Não ganhamos os jogos devido a condições que o sistema não nos valorizou. Não é o treinador Play de Freitas que está errado, nem os jogadores. É o sistema como um todo. Não há como querer colocar a culpa em uma pessoa ou duas”, desabafou.

O ex-técnico relatou que sequer foi devidamente pago pelo período de quatro meses em que trabalhou na 2ª Divisão, desde que foi designado supervisor do clube. Ele recebeu R$ 1,5 mil, em dezembro, ainda de Adriano Kanaã, referente ao ressarcimento de um jogador, que rendeu R$ 3 mil. Depois, recebeu um depósito de R$ 2 mil, já dos novos gestores. O valor, segundo Play, é abaixo do combinado e ele aguarda para receber o resto.

Play ainda criticou a decisão dos gestores do clube em realizar treinos com portões fechados para a torcida e para a imprensa. “É um clube do interior, um clube que está pedindo para o torcedor ajudar. Sempre estivemos pedindo uma força à imprensa, para noticiar os jogos e nosso trabalho. Não estamos em São Paulo, no Corinthians, que tem um CT fechado. É diferente o sistema. Temos um sistema de amizade, somos amigos. Você anda na rua, o torcedor fala com você e você dá satisfação. É uma coisa aberta. Quem está vindo com essa ideia, sinto muito, está totalmente errado”, opinou.


Comentários

Enquete

Você acha que existe um grande número de pessoas que recebem aposentadoria sem ter contribuído o suficiente?

  • Não
  • Sim
Resultados