Futebol / Esportes

11/02/13 - 16h44 - atualizada em 11/02/13 às 16h54

Malucelli repete discurso depois de saída do Iraty, e critica torcida e cidade de Londrina

"Todo mundo cobra, todo mundo critica, mas ninguém ajuda”, desabafou o gestor durante entrevista coletiva na manhã de hoje, 11, no CT da SM/Sports
Rodrigo Zub


Sérgio Malucelli criticou imprensa, torcida e empresários de Londrina
Um filme velho com enredo bastante conhecido do torcedor iratiense. Assim pode ser resumida a entrevista coletiva do gestor do Londrina, Sérgio Malucelli, na manhã de hoje, 11, no Centro de Treinamento da SM/Sports, empresa que administra o clube. O ex-presidente e principal investidor do Iraty, no período áureo do clube, simplesmente desabafou no contato com os órgãos de imprensa. Segundo ele, o LEC não tem apoio da torcida e da cidade. “Não tem patrocinador nenhum da cidade. São três, quatro patrocinadores que nós temos hoje. Todo mundo cobra, todo mundo critica, mas ninguém ajuda”, disse Malucelli.

O fato curioso foi que a declaração do gestor veio após a quarta vitória da equipe no Campeonato Paranaense. No domingo, 10, o Tubarão venceu o Atlético/PR por 2 a 0. O triunfo recolocou o LEC na briga pelo título do 1º turno. Com 14 pontos, o time de Cláudio Tencati, que já comandou as equipes de base do Iraty, está em 4º lugar apenas um ponto atrás do líder J. Malucelli.

Jogadores são dispensados por indisciplina
 
Ainda durante a entrevista coletiva, Malucelli anunciou a dispensa de dois jogadores por indisciplina. O lateral Raul e o meio-campista Vinicius tiveram os contratos reincididos nesta segunda-feira, 11. “Os dois saíram na noite e não dormiram aqui. Chegaram no outro dia com aspecto de embriaguez. O Raul tem esse problema há tempo. O próprio Vinicius já tem isso também. Nós não vamos permitir isso nunca aqui dentro. Pode ser o melhor jogador do plantel. Se fizer uma vez, na segunda vai embora”, desabafou o gestor.

Para suprir as duas baixas, Tencatti deverá promover as entradas dos garotos Maicon e Robinho. Maicon atuou no Campeonato Paranaense de 2011 com a camisa do Azulão.

Discurso semelhante no Azulão

A atitude de Malucelli cobrando apoio da imprensa, cidade e da torcida foi semelhante ao seu desabafo no ano passado em várias entrevistas antes de anunciar sua saída do Iraty.

Problemas financeiros, o baixo número de torcedores que compareciam aos jogos no estádio Emílio Gomes, e a falta de um investidor foram alguns dos motivos apontados pela diretoria do clube para encerrar as atividades do futebol profissional. Essa atitude foi tomada após o rebaixamento da equipe para a segunda divisão do Campeonato Paranaense em abril de 2012. Nem mesmo uma possível mobilização de empresários da cidade sensibilizou o presidente da SM Sports. Na oportunidade, o ex-presidente afirmou em entrevista a diretoria da rádio Najuá, Jussara Harmuch, que várias pessoas já tinham demonstrado intenção de ajudar, porém, nenhuma pessoa contribuiu verdadeiramente com o clube. “Eu falei pro Geraldo [Campagnoli- presidente do Iraty] que não adianta fazer futebol agora. É tudo bonito no papel a pessoa fala que vai ajudar, mas esse negócio de falar é uma coisa e ajudar é bem diferente. Se alguém está disposto a ajudar que deposite na conta do Iraty”, enfatizou.

Falta de apoio

Gestor do Londrina participou de coletiva de imprensa ao lado do treinador Cláudio Tencati
Malucelli justificou sua posição ao relatar que algumas empresas chegaram a assumir compromisso com o Azulão, mas que depois de um tempo deixaram o clube a ver navios. O ex- presidente lembrou o caso da empresa BMG, que simplesmente abandonou o Iraty, um mês após firmar parceria para patrocinar a equipe em 2012.

No mês de setembro à equipe da Najuá voltou a conversar com Malucelli. Novamente ele revelou que continuava não acreditando na possibilidade de empresários iratienses ajudarem a bancar as despesas do clube. Na época Malucelli afirmou que o apoio dos patrocinadores só acontece quando a equipe está vencendo. Durante a entrevista, o gestor já indicava que a relação com os patrocinadores e a cidade de Londrina estava estremecida.

“Esse apoio vem quando você ganha dois, três jogos. Quando acontece o contrário ninguém mais apóia. Isso aconteceu aqui mesmo em Londrina. Nós tínhamos patrocínio do Sercomtel que nos abandonou no meio do caminho. Não acredito em apoio de empresário acho que os clubes devem se virar de outra maneira”, avaliou.

Rebaixamento do Iraty

Sobre a  campanha ruim que culminou com o rebaixamento do Iraty, Malucelli afirmou que sofreu mais que a população com o desempenho abaixo do esperado. Em 22 jogos, o Azulão somou apenas nove pontos e teve uma vitória na edição 2012 do Campeonato Paranaense.

“Sei que fui alvo de muitas críticas em Irati, mas muita gente esquece o que fiz pelo time. Sou de Irati e meu coração sempre será do Azulão. As raízes eu não posso negar. Nós já tivemos uma queda em 1996 e conseguimos voltar. Agora queremos ser campeões da segundona em 2013 e jogar a primeira divisão em 2014”, afirmou o gestor do Londrina, sinalizando com uma possível volta do Iraty em 2013 caso recebesse apoio dos empresários, torcida e do prefeito eleito na cidade.

Promessa

Na entrevista concedida à equipe da Najuá, o atual gestor do Londrina também descartou a possibilidade de ser concretizada uma parceria com outra empresa privada para administrar o futebol do Iraty. “Quando eu peguei, o Irati estava 30 anos parado. Tivemos que passar todo esse processo de 3ª divisão, 2ª divisão. Então, agora quem pegar a partir do ano que vem [2013] será a mesma coisa”, afirmou Malucelli.  O mandato de Geraldo Campagnoli a frente do Iraty será encerrado no fim deste ano.

Conforme citou o ex-presidente é provável que a partir do fim de 2013 ele e toda sua cúpula se desliguem do clube. Porém, a nova divergência, dessa vez em Londrina, abre um leque para que Malucelli comece a pensar em voltar ao Azulão? Só o tempo responderá essa pergunta.

Comentários