Política e Eleição / Notícias

10/10/18 - 01h14 - atualizada em 10/10/18 às 01h30

"Efeito Tiririca" impulsiona eleição de deputado da região

Advogado, radialista e empresário Emerson Bacil (PSL), de São Mateus do Sul, entrou para a ALEP com 17.626 votos, graças ao quociente eleitoral

Da Redação 

Emerson Bacil foi eleito para o primeiro mandato na ALEP com 17.626 votos

Graças ao chamado “Efeito Tiririca”, que ocorre quando um candidato com maciça votação ajuda a colocar no Congresso ou numa Assembleia Legislativa nomes que não tiveram votação semelhante, o advogado, radialista e empresário Emerson Bacil (PSL), vai ocupar uma das 54 cadeiras do legislativo estadual a partir do ano que vem. Ele conquistou 17.626 votos, o que equivale a apenas 0,36% dos votos válidos.

O fenômeno foi impulsionado pela votação expressiva do candidato Delegado Francischini, do mesmo partido, que obteve 427.749 votos em todo o Paraná (ou 7,51% dos votos válidos). Assim, o PSL conseguiu formar uma bancada de oito deputados: Delegado Francischini, Coronel Lee, Delegado Fernando, Luís Fernando Guerra, Missionário Ricardo Arruda, Do Carmo, Emerson Bacil e Subtenente Everton – o menos votado entre todos os candidatos eleitos, com somente 13.047 votos (0,23% dos votos válidos).

PUBLICIDADE

O quociente eleitoral – que assegurou a eleição de Bacil – é determinado pela divisão do número de votos válidos pelos lugares a serem preenchidos. Já o quociente partidário, que determina a quantidade de cadeiras a serem ocupadas por um partido, corresponde ao número de votos obtidos pelo partido dividido pelo quociente eleitoral.

Em São Mateus do Sul, município do candidato eleito, Bacil foi o mais votado e obteve 10.041 votos (43,23% dos votos válidos). Em Paulo Frontin, conquistou 584 votos (15,28%), o segundo mais votado. Em União da Vitória, foi o sexto mais votado, com 540 votos (2,06% dos válidos). Em Paula Freitas, foi o terceiro mais votado – 196 votos (6,56% dos válidos). Em Mallet, foi o terceiro mais votado, com 736 votos (10,68% dos válidos).

PUBLICIDADE

“Estamos eleitos oficialmente, por São Mateus e por toda a região, para fazer uma nova política. Sem perseguição; mostrando que a família está em primeiro lugar; que, quando nós acreditamos, dá para acontecer; mostrando que, sem amarras políticas, entrarei na ALEP independente, sem dever para ninguém, sem ser ‘cupincha’ de ninguém. Clamo a todas as pessoas de bem, que queiram o melhor para a nossa região, vão bater no peito, com orgulho, de que Emerson Bacil veio com 17.626 votos, para mostrar que a região pode”, discursou o deputado eleito, no domingo (7), logo após a apuração ser concluída.

Bacil, que concedeu entrevista ao repórter Edinei Cruz, da Rádio Difusora do Xisto, analisou que sua eleição para a Assembleia resgata a autoestima da região, por voltar a ter um representante no âmbito estadual. “Assim como meu pai, por 34 anos, fez em São João do Triunfo e hoje, lá no céu nos orgulha, porque ele também puxou tudo isso. Devo a ele e devo a Deus, que nunca foi maldoso, sempre foi muito generoso e a ele nunca vou desonrar”, prosseguiu. Também agradeceu o apoio da família e dos eleitores e reafirmou seu compromisso em lutar pelo combate à corrupção.

PUBLICIDADE

Ele também prometeu ser um deputado transparente e ético. “Vou combater a politicagem; comigo, não vai ter [funcionários] fantasmas, nem nada de errado, porque vou mostrar a vocês cada passo que eu vou fazer”, disse.

“Pelo nível que estão os candidatos do PSL, acreditamos que próximo de 20 mil votos já poderá concorrer a uma vaga na ALEP. Pelo menos cinco a seis já entrarão direto. O partido deve fazer de cinco a seis deputados estaduais, numa média de 20 mil votos”, apostou Bacil, em agosto, quando sua candidatura foi confirmada.

Em maio deste ano, o diretor da rádio Cultura Sul FM, de São Mateus do Sul, anunciou sua intenção de se lançar como candidato a deputado estadual, por admitir que a região está carente de representatividade no Legislativo estadual. Na ocasião, ele opinou que há muito tempo o Centro-Sul e o Sudeste paranaense se tornaram alvo de candidatos oriundos de outras regiões, que surgem oportunamente na época de campanha, para pedir votos e que, depois de eleitos, somem.

PUBLICIDADE

O deputado eleito afirmou ser categoricamente contra a reeleição, até mesmo para o Legislativo, por acreditar que ela serve aos interesses de quem se perpetua no poder sem contribuição com a sociedade, e analisa que ser político é cargo eletivo, não carreira profissional. Ele disse que essa postura podia ser confirmada pelo fato de que ele recusou concorrer a uma nova eleição na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

Bacil disse, em maio, que antes de decidir se lançar candidato, procurou por outras lideranças locais e as apoiou para que concorressem nas eleições. Porém, diante da falta de uma sinalização positiva, ele mesmo resolveu se candidatar. A ideia foi apresentada ao pai, Olisses Bacil, poucos dias antes de ele falecer em abril deste ano, aos 59 anos. O pai de Emerson Bacil foi vereador e presidente da Câmara de São Mateus do Sul e prefeito de São João do Triunfo, em dois mandatos.

Quer receber notícias locais? Envie whats para 42 991135618 SIM NOTICIAS ou cadastre seu e-mail na newsletter pelo site da Najuá

Comentários

Enquete

Em relação aos candidatos à presidência da república, você está?

  • Confuso (a)
  • Definido (a)
  • Indeciso (a)
Resultados