Irati e Região / Notícias

30/05/18 - 16h38 - atualizada em 30/05/18 às 17h36

Paralisação dos caminhoneiros chega ao fim em Irati; Exército se instala na BR 277

Trabalho conjunto da PM, PRF e do Exército garantem segurança para que caminhoneiros retornem às estradas, depois de acordo com integrantes do movimento

Da Redação, com reportagem e fotos de Paulo Sava

Soldados do Exército se instalaram na manhã de hoje, 30, na BR 277, próximo ao Distrito Industrial de Irati

Após uma reunião na manhã de hoje, 30, caminhoneiros que estavam parados em Irati decidiram encerrar a paralisação. A reunião contou com a presença da Polícia Militar (PM) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que acompanharam a retirada dos caminhões e máquinas agrícolas que estavam parados em estabelecimentos localizados às margens da Alameda Virgílio Moreira, trecho urbano da BR 153, na entrada da cidade.

Manifestantes começaram a se dispersar e os pátios às margens da BR 153 que estavam sendo ocupados como ponto de encontro na paralisação, foram liberados. Exército chegou na cidade para garantir a segurança.

No final do texto, veja algumas imagens dos momentos da manifestação desde quando iniciou.

PUBLICIDADE

Caminhoneiros

Conforme o caminhoneiro Mário Konopka, cerca de 80% das reivindicações dos caminhoneiros, como a fixação de uma tabela única para o preço do frete e a baixa do preço do óleo diesel, foram atendidas. Para ele a adesão da manifestação em Irati foi satisfatória.

“Estamos aguardando a publicação do eixo erguido ser publicado em Diário Oficial, o diesel já vai chegar com desconto na bomba e a tabela de frete já vai começar a ser cumprida, ficou dentro do que a gente estava esperando. Achamos melhor liberar porque está estressante. Apesar que tem gente de longe que disse que vai permanecer. Tem comida tem tudo aqui, o pessoal foi bem atendido”, relata. Ele atribui nota 10 à organização. Konopka também agradece o apoio que recebeu do povo e das administrações públicas municipal, PM e PRF.

Polícia Rodoviária Federal

O inspetor da PRF na região, Cláudio Adão, diz que a desmobilização da greve ocorreu de forma pacífica. “Devagar eles já estão se ajeitando para seguir viagem. Não que aqui tenha sido interditado, em momento algum foi, mas os que estavam parados já começam a seguir os seus destinos”, diz. Cláudio Adão complementou que não vê motivos para aplicar multas porque os pátios já estão sendo liberados.

Comboio de caminhões do 5º Batalhão de Engenharia e Combate Blindado de Porto União-SC chegou em Irati

Polícia Militar

De acordo com Comandante da 8ª Cia de Irati, Major Joas, as demandas a respeito de bloqueios e manifestações, como aconteceu ontem, 29, nos postos da Rede Ivasko serão contidas. “Estas ações não serão permitidas, mesmo porque o Ministério Público e o Poder Judiciário já estão tomando as providências porque extrapolou o direito à manifestação. As pessoas que estavam ali também tinham direito de abastecer e se trata de uma invasão de área privada. É como se entrasse na sua casa sem permissão”, disse o Major que classifica os atos como infração ao artigo 202 do código penal que prevê pena de reclusão de um a três anos.

Existe uma liminar que prevê multa de R$ 10 mil no CPF da pessoa que for identificada promovendo interdição de rodovia, mas assim como Cláudio Adão, Joas garante que com o acordo essa penalização não será aplicada.

Trabalho em conjunto com o Exército

Hoje o trabalho de segurança está sendo feito em conjunto com o exército, caminhões e jipes do 5º Batalhão de Engenharia e Combate Blindado de Porto União-SC, que chegaram em Irati na manhã de hoje, 29, e se instalaram em dois pontos da BR 277, próximo ao distrito industrial e entre os dois trevos de acesso à cidade.

PUBLICIDADE

A orientação é para que as unidades do exército se instalem nas principais rodovias a cada 15 km, com o objetivo de assegurar que os motoristas de caminhões que deixam os pontos de manifestação possam transitar em segurança.

Em Irati, 30 viaturas da PM trabalham em conjunto com o exército e a PRF. A informação é de que o gás de cozinha já está chegando e mais combustível para suprir outros postos da cidade. Está sendo feito um policiamento ostensivo para garantir o abastecimento de combustível. “Estamos preservando o direito de ir e vir. ‘Ah! mas ele não está aderindo’. Ninguém é obrigado a fazer o que não queira fazer. Aqui em Irati não vai ser diferente", salienta Joas.

Infiltração de outros movimentos

O Major também orienta a população a tomar cuidado e não agir pela emoção. “Houve acordo, mas observamos que tem um grupo menor de pessoas que estão tentando fazer a cabeça das pessoas. Vamos conversar com as pessoas que estão sendo enganadas e explicar, primeiramente. Trabalhamos pela ordem pública, não podemos deixar que meia dúzia de pessoas acabem criando movimentos diferenciados, saquear, apedrejar, mandar fechar loja. Isso é crime e se forem identificados serão levados à justiça para responder pelos seus atos. Seu direito termina quando começa o do outro”.

Joas foi enfático ao dizer que a PM vai cumprir seu papel para preservar o direito das pessoas. Também orientou que as pessoas que constatarem abusos de preços de produtos devem pedir nota ou cupom fiscal e protocolar uma reclamação no Procon. 

PUBLICIDADE

Veja algumas imagens dos momentos da manifestação desde quando iniciou


Comentários

Enquete

Em relação aos candidatos à presidência da república, você está?

  • Confuso (a)
  • Definido (a)
  • Indeciso (a)
Resultados